terça-feira, 25 de novembro de 2014

NOTA DE REPÚDIO

A Juventude Socialista Brasileira repudia a aprovação do projeto de lei que cria plano especial de aposentadoria para os deputados estaduais, votada na tarde desta terça-feira (25), na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. 
Enquanto Juventude socialista de esquerda e de luta, salientamos que tal decisão não dialoga com os movimentos sociais, e que os deputados devem legislar em beneficio do coletivo e não em causa própria.
Nós, jovens do PSB, compomos as mobilizações de junho de 2013, que ocorreram em todo o Brasil. Saímos às ruas contra o abuso do poder. Todavia, hoje vimos nossas vozes serem minimizadas, já que a aprovação do plano de aposentadoria especial aos deputados vai contra tudo que sempre lutamos. 
Queremos mais responsabilidade com o dinheiro público. O impacto a ser gerado através desta resolução será unitariamente equivalente a R$20mil, o que somará cerca de R$ 600 mil por ano, e a tendência é crescente.
O projeto representa a velha política, atrasada e sem diálogo com os movimentos, não contempla a nova política que objetivamos construir.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

JSB gaúcha presente no Rio+20

A Juventude Socialista Brasileira do Rio Grande do Sul (JSB/RS) participará da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que será realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. A comitiva de sete integrantes viaja dia 15 de junho e retorna a Porto Alegre no dia 19 de junho.


O secretário estadual da JSB/RS, João Pedro Grill, destacou que o movimento está engajado na renovação, com qualidade da política e, prova disso, segundo ele, foram os encontros e seminários que foram organizados, não só renovar como para preparar os quadros, ponto que julga ser fundamental. “A Rio+20 será um debate com líderes de todo o mundo e nós, como juventude organizada e comprometida com a transformação do planeta em um lugar melhor para se viver, devemos e vamos participar, pois essa discussão é nossa e para as próximas gerações” afirmou o secretário.


A Rio+20 é assim conhecida porque marca os 20 anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas. A proposta brasileira de sediar o evento foi aprovada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas, em sua 64ª Sessão, em 2009.


O objetivo da Conferência é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes. Os temas principais serão “a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza” e “a estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável”.


A comitiva será composta por João Pedro Grill, Neusa Cavalheiro, Tafael Medeiros, Bibiana Crespo, Alessandro DalZotto, Tiago Gai Simões e Claiton Silva.


Maiores informações podem ser acessadas no endereço www.rio20.gov.br, o site oficial do evento.

Por : Tafael Medeiros - Secretário de Comunicação JSB/RS

sábado, 5 de maio de 2012

JSB/RS publica Moção de Apoio à Presidenta Dilma Rousseff

Após o Encontro Estadual da Juventude Socialista Brasileira do Rio Grande do Sul (JSB/RS), realizada no dia 1° de maio, quando se comemora o Dia do Trabalhador, viemos por meio desta carta manifestar nosso apoio à presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, que externou, com grande bravura e responsabilidade, o seu descontentamento com a atual taxa de juros cobrada pelos bancos privados no que diz respeito a empréstimos, cartões de crédito e cheque especial, a qual consideramos abusiva, sendo que desacelera nossa economia e ataca o bolso da sociedade brasileira.

Concordamos de forma plena com a presidenta quando afirma que “é inadmissível que o Brasil, que tem um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo. Esses valores não podem continuar tão altos. O Brasil de hoje não justifica isso. Os bancos não podem continuar cobrando os mesmos juros para empresas e para o consumidor, enquanto a taxa básica Selic cai, a economia se mantém estável e a maioria esmagadora dos brasileiros honra com presteza e honestidade os seus compromissos”.

Hoje, temos grandes criticas ao modelo de atuação dos bancos, principalmente os privados, que sofrem uma inversão de valores, onde o sistema financeiro que deveria sustentar o nosso sistema produtivo é, na verdade, financiado pelo nosso sistema produtivo.

Ao mesmo passo, exaltamos a atitude do governo federal ao anunciar a queda dos juros para a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, atitude que busca pressionar os bancos privados a seguirem o mesmo caminho, com a finalidade de se tornarem competitivos frente aos bancos públicos. Cabe a nós, sociedade, completarmos essa pressão, pesquisando e usufruindo dessa redução.

Concordamos que somente quando os juros nacionais chegarem ao patamar das taxas internacionais, a economia brasileira será plenamente competitiva, saudável e moderna. 

Porto Alegre, 1º de maio de 2012

Juventude Socialista Brasileira/RS

segunda-feira, 12 de março de 2012

Juventude Socialista Brasileira reúne-se em Brasília



A Direção Nacional da Juventude Socialista Brasileira (JSB) do PSB realizou nesta quinta e sexta-feira (8 e 9 de março) reunião com o objetivo de organizar o planejamento da Gestão 2012 e a estratégia eleitoral da juventude para este ano. O encontro acontece na sede do Partido, em Brasília.
Já no sábado e domingo (10 e 11) ocorrerá reunião do Conselho Político da JSB, com a finalidade de debater o planejamento de Gestão, a estratégia eleitoral e a conjuntura política do país.
"Nossa expectativa é fazer um balanço do que está construído até aqui e realizar o planejamento da gestão, estabelecendo metas e prioridades de ação, tendo em vista o crescimento do partido e a batalha eleitoral que se aproxima", destacou o secretário de Juventude do PSB, Bruno da Mata. Nas eleições de 2012, a juventude socialista terá candidaturas a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em todo o Brasil.
Bruno explicou que a Direção Nacional da JSB debaterá a atuação do segmento nos movimentos sociais e lutas juvenis, como também as mobilizações pelo Estatuto da Juventude e pelo combate as opressões e ao preconceito. "Além disso, discutiremos a formação da Juventude pautada nos princípios do PSB, que se referem à construção do socialismo e das lutas do povo brasileiro", concluiu o secretário da Juventude do PSB.
"No Rio Grande do Sul temos inúmeras candidaturas de juventude. O próximo passo é identificar os candidatos comprometidos com o projeto da Juventude Socialista Brasileira e posteriormente criar formas para auxiliar nossos candidatos" salienta o gaúcho Tony Sechi, Secretário Geral Nacional da JSB.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Presidente da JSB em Butiá confirma dois nomes da Juventude para a eleição municipal deste ano

O presidente da Juventude Socialista Brasileira (JSB) em Butiá, Deivith Marins, conversou com o blog e passou um diagnóstico da atual situação do núcleo em Butiá. Confira a conversa de Deivith com o Blog JSB Gaúcha.

Blog da JSB - Como está a JSB em Butiá (visão geral)?

Deivith Marins - A JSB de butiá é um núcleo de poucos, mas que fazem muito. E acredito que para se fazer um bom trabalho não se precisa de muitos, apenas precisamos de pessoas comprometidas, engajadas e unidas. Este tripé de conceitos é o que faz as coisas acontecerem. Esta composta da seguinte forma: Deivith Marins Camargo – Secretário, Juliano Serpa Vieira – Secretário Geral, Suéllen de Carvalho Araújo- 1º Secretária, Mateus Vieira – Coordenador de Finanças, Taila Medeiros – Coordenadora de Mobilização e Eventos, Luíza Amaral – Coordenadora de Movimentos Sociais e Tafael Medeiros – Coordenador de Formação Política.

Blog - Quais as pretensões da JSB para as eleições municipais deste ano?

DM - O PSB de Butiá carrega em sua história, ousadia, coragem e coerência. E nós, da JSB, acreditamos nesta história e somos parceiros em dar continuidade a ela. Temos dois nomes dispostos a concorrer ao legislativo, nomes fortes, que representam com lucidez a juventude. Nossa pretensão é quebrar paradigmas, é construir um legislativo novo. Com novas ideias, os nossos representantes precisam partilhar dos nossos sonhos. Nós não admitimos estagnação e egocentrismo. Nós queremos mais, muito mais e podemos mais.

Blog - E em relação à majoritária, como a Juventude se posiciona no município?

DM - Nosso pré-candidato à prefeitura de Butiá, embora não advenha do nosso núcleo, muito bem nos representa, pois vem com novas ideias para problemas antigos que afligem nossa população. E precisamos disso, do novo, da renovação, de pessoas fiéis aos nossos desejos, para que tenhamos um município melhor e diferente.

Blog - Quais as últimas ações na cidade que tiveram a participação do movimento?

DM - Nós criamos um calendário de atos e ações que vem sendo cumprido desde setembro do ano passado, onde nos fizemos presentes nos feriados do dia 7 e 20 de setembro, na Praça Dr. Roberto Cardoso, quando montamos um estande para divulgação dos trabalhos prestados por nosso deputados. Ainda no ano de 2011, participamos da festa das crianças do Bairro São José e mais recentemente estivemos no carnaval municipal com a campanha intitulada “Folia Consciente”, onde realizamos a entrega de 400 preservativos acompanhados de material informativo sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis A entrega foi feita ao público presente na avenida e aos bares e ambulantes locais. Nosso calendário continua! Realizaremos, em abril, a “Páscoa + Feliz” e no mês de maio estaremos presentes na caminhada alusiva ao dia do trabalhador, reivindicando qualificação e oportunidade profissional para a nossa juventude.

Blog - O que significa estar à frente da JSB em Butiá?

DM - É uma missão carregada por orgulho, responsabilidades, respeito e comprometimento, que me movem e me fazem entender a importância em estar frente a este núcleo que, se bem administrado, fará grandes transformações para nossa juventude, que almeja dias melhores. Rogo sucesso a nossa juventude e vida longa as nossas lutas.

Por Tafael Medeiros - Secretário de Comunicação JSB/RS

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

O PRECONCEITO É INFERIOR À TOLERÂNCIA

O negro não é inferior ao branco;

O ateu não é inferior ao crente;

O pobre não é inferior ao rico;

A mulher não é inferior ao homem;

O evangélico não é inferior ao cristão;

O homossexual não é inferior ao heterossexual;

O conservador não é inferior ao liberal;

O velho não é inferior ao jovem;

O trabalhador braçal não é inferior ao empresário;

O nordestino não é inferior ao paulista;

O umbandista não é inferior ao espírita;

O comunista não é inferior ao capitalista;

O latino americano não é inferior ao europeu;

O funkeiro não é inferior ao rockeiro;

O gordo não é inferior ao magro;

O leitor não é inferior ao escritor.

Nada nesse mundo torna as pessoas melhores ou piores do que as outras, somos todos iguais, sangramos igual, sofremos igual, rimos igual, comemos igual, envelhecemos igual, morremos igual e viramos pó igual, todo o resto é puro preconceito!

AGORA, se discordas do que acabas de ler, então talvez algo me torne superior a ti.


Por Eduardo Berbacha Soares - Secretário de Formação Política JSB/RS

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Eu me organizando posso desorganizar

No dia 2 de fevereiro de 1997, enquanto dirigia de Olinda para Recife, Francisco de Assis França, conhecido pelo apelido de Chico Science, perdeu o controle de seu Fiat Uno chocou-se contra um poste e faleceu, em um piscar de olhos o mundo perdeu um grande artista da música brasileira.

Em 1991, Science formou o Nação Zumbi, a partir daí, o grupo começou a se apresentar no Recife e em Olinda e junto com Fred Zero Quatro, da banda Mundo Livre S/A lançaram o manifesto "Caranguejos com Cérebro". O texto foi o pontapé inicial do "Movimento mangue beat”, que foi um grito de renovação. Com uma composição poética, afiada, contestadora e marcada pela batida agressiva e particular dos tambores de maracatu, jovens recifenses decidiram misturar a música pop internacional de ponta (o rap, as várias vertentes eletrônicas e o rock neopsicodélico inglês) aos gêneros tradicionais da música pernambucana (maracatu, coco, ciranda, caboclinho...), levando o funk e o rap a dialogar com a batida primal dos tambores, sendo o estopim para uma reviravolta na música brasileira colocando Pernambuco no mapa cultural do Brasil.

Podemos dizer que as letras de Science são um Instrumento de Luta, quero destacar entre elas “Da Lama Ao Caos”, que inspira a juventude a estar organizada na luta cotidiana, "Eu me organizando posso desorganizar" é assim ,se organizando com nossas MUITAS LUTAS que queremos construir e/ou despertar uma nova consciência onde todos são responsáveis pela luta diária de cada um, onde eu não estou sozinho, mas faço parte dessa massa que luta por igualdade, por educação, cultura, lazer etc.. Desorganizando aquelas práticas velhas vamos organizar nossas vitórias, nossas conquistas, nossos sonhos e as nossas Muitas Lutas que a cada dia fica mais viva, assim, desorganizando o Velho jeito de manipular as mídias, organizando a verdadeira democratização dos meios de comunicação, desorganizando a exploração dos trabalhadores e trabalhadoras, organizando uma vida digna para a classe operária, desorganizando o preconceito racial, social, religioso, homoafetivo, organizando respeito pelas diferenças, desorganizando o monopólio do transporte publico, organizando um transporte público de qualidade, desorganizando as manobras para tornar educação uma mercadoria, organizando o acesso do filho pedreiro à universidade, vamos à luta!!!! Nós organizados podemos desorganizar!!

Por Marquinhos Ribeiro - Presidente JSB/RS

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

FUTEBOL: rivalidade x insanidade!!


Estarrecido li sobre os mais recentes acontecimentos no Egito! Não, apesar de ser um amante das questões que envolvam política e aqui estar escrevendo em um blog de movimento de juventude político/partidária, não estou escrevendo sobre os desdobramentos do movimento denominado “primavera árabe” tampouco sobre os mais recentes protestos por redemocratização do país. Escrevo sim, sobre a triste mancha negra que se desenhou nesse país, famoso por suas pirâmides, que agora viu uma cena de barbárie estampada nas primeiras páginas de jornais mundo afora, pois em um jogo de futebol no país mais de 70 pessoas foram brutalmente assassinadas em uma briga generalizada motivada por desmedida rivalidade entre clubes de futebol egípcios.

Me pus a pensar se algo tão bárbaro e doentio poderia se refletir em nossa gaúcha realidade. Será que as tradicionais rivalidades do nosso futebol dos Pampas poderiam descambar em um quadro triste de violência como o visto no Oriente Médio? Os clássicos BA-GUÁ, CA-JU, BRA-PEL ou mesmo um GRE-NAL poderiam ficar marcados por um espetáculo macabro de sangue? Será que as brincadeiras sobre as qualidades dos times, os “mazembes”, as “segundas”, e todas as brincadeiras de uma rivalidade bonita e sadia, com mulheres e crianças nos estádios seriam substituídam por uma batalha campal, em que pessoas se matam simplesmente por vestir uma camiseta diferente?

Sinceramente, espero que as respostas para essas questões sejam sonoros NÃO! No entanto, apesar de acreditar que o futebol deva ser um espetáculo de diversão, que congregue amigos e famílias, que mantenha a rivalidade, sadia é claro, já que é ela que define a grandeza dos clubes, não posso deixar de temer que essa rivalidade por vezes extrapole seus limites. Por motivos de segurança foi-se o tempo em que podíamos ver um GRE-NAL com arquibancadas divididas irmanamente em azul e vermelho (salvo as exceções de clássicos fora da capital), e não raro vemos episódios de brigas pontuais, inclusive marcadas nas redes sociais, entre integrantes bossais de torcidas ditas organizadas, que em realidade são bandos criminosos. No entanto, quero acreditar que esses criminosos (de torcedores não podem ser chamados) sejam a ínfima minoria e não reflitam o comportamento dos milhares de torcedores/cidadãos que lotam nossos estádios a cada final de semana.

Feito o breve desabafo, espero que ele sirva de inspiração à todos os torcedores (fanáticos ou não) desse nosso “torrão sulino”, é bom torcer sim, ter um clube como foco de paixão não é problema algum, tirar sarro do amigo ou parente torcedor do outro time é das coisas mais divertidas do mundo, MAS TUDO TEM LIMITE! Façamos de nossos estádios palco de espetáculos esportivos, não uma arena de luta e barbárie.


Por Eduardo Berbacha Soares - Secretário de Formação Política JSB/RS


quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

JSB promove debate sobre políticas de trânsito para a juventude

Na tarde desta quarta-feira (25), o vice-governador Beto Grill e o deputado estadual Miki Breier participaram do painel promovido pela Juventude Socialista Brasileira do RS (JSB-RS) no Acampamento Internacional da Juventude do Fórum Social Temático 2012 (FST). O evento, ocorrido na tenda da JSB no Parque Harmonia, reuniu lideranças do movimento juvenil de todo país para debater políticas de segurança no trânsito voltadas ao segmento.

Responsável pela coordenação do Comitê Estadual de Mobilização pela Segurança no Trânsito, Beto Grill falou sobre a iniciativa da criação do órgão pelo governo gaúcho, que visa o cumprimento da meta estipulada pela ONU para Década de Ação pela Segurança no Trânsito – redução de 50% no número de mortes em acidentes no mundo. “Procuramos estabelecer o diálogo, de forma transversal, entre órgãos das mais diferentes esferas do poder e entidades da sociedade civil, para, juntos, construirmos a nossa política estadual de trânsito”, disse.

Sobre o trabalho desenvolvido, o vice-governador ressaltou que as ações não se restringem à fiscalização. “Nossa proposta contempla projetos em curto, médio e longo prazo. Apostaremos forte em educação para o trânsito, melhoria na formação dos condutores e capacitação de profissionais. Tudo isso sem deixar de investir em nossa malha viária, através da pavimentação, manutenção, sinalização e duplicação de rodovias”.

Grill apresentou os números das operações Balada Segura e Viagem Segura, apontando a evolução no cenário gaúcho: “No ano de 2011, obtivemos uma redução de 11% no número de vítimas fatais no trânsito em solo gaúcho. Esse número aumenta para 30%, se analisarmos a área de abrangência da Balada Segura, operação que hoje já existe no litoral e que pretendemos expandir para as principais cidades do RS em 2012”. Grill, entretanto, chamou atenção para os dados relacionados às motocicletas, opção de boa parte dos jovens. “De 2007 a 2011, foram registradas 9772 mortes no trânsito no Estado. Dessas, 2686 pessoas perderam a vida em motocicletas, seja como condutor ou como passageiro. Isso representa 28% dos casos”, ressaltou o socialista.

Em sua fala, Miki Breier lembrou que embora a legislação de trânsito esteja atrelada à esfera federal, é possível se realizar projetos bem sucedidos em nível estadual e municipal, citando, como exemplo, a redução do número de fatalidades no município de Cachoeirinha e a atuação do governo do Estado. “Toda a mobilização em torno da Frente Parlamentar e do Comitê de Trânsito são a prova que o RS está assumindo uma postura proativa com relação à questão da segurança viária”, disse o cordenador da Frente Parlamentar Estadual em Defesa do Trânsito Seguro da Assembleia Legislativa.

Miki ressaltou a necessidade de uma nova postura de todos os atores que compõem a realidade do dia-a-dia no trânsito. “Hoje em dia, vemos com frequência pessoas com pressa de chegar a lugar algum, para não fazer nada. É necessário que cada um de nós colabore para que ocorra a mudança de atitude necessária. Nesse cenário, a juventude tem um grande papel a desempenhar e deve assumir o seu posto como formador de opinião”, pontuou.

Participaram também do painel o deputado estadual Catarina Paladini, o assessor especial de Trânsito do Gabinete do Vice-Governador Major Ordeli Savedra Gomes, o ex-diretor executivo da Fundação Thiago Gonzaga (Vida Urgente) Sérgio Neglia, o sociólogo e consultor de trânsito Eduardo Biavati, o especialista em trânsito André Moura, o secretário e o presidente Nacional da JSB Bruno da Mata e Sérgio Cardoso, o secretário Estadual da JSB João Pedro Grill e a presidente da UJS Gaúcha Ticiana Alvares.

Por Claiton Silva

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Diga não aos ataques à liberdade de expressão: STOP SOPA AND PIPA!!!



A TODOS que, como eu, consideram a internet uma ferramenta importantíssima na construção de uma sociedade mais aberta e com liberdades, já tendo visto uma revolução florescer nas redes sociais (primavera árabe), peço encarecidamente que dê uma pausa de uns 10min na propagação dos memes de piadas, BBB, Luíza Canadá e outros e pesquise um pouquinho sobre as leis SOPA e PIPA que estão prestes a serem aprovadas no Congresso Norte Americano.
Tu podes até me perguntar: TÁ, MAS O QUE EU TENHO A VER COM ESSAS LEIS DOS EUA? Mas te respondo com certeza, em tempos em que as relações se dão cada vez mais em espaços virtuais a aprovação dessas leis implicará na instauração de uma verdadeira ditadura digital global, em que não se poderá mais compartilhar arquivos, baixar músicas e simplesmente navegar da forma como fazemos hoje.
Essas leis possuem um forte looby da indústria do entretenimento (Universal, Disney, Warner, CBS...), que alega que as leis ajudarão no combate à pirataria. Do outro lado temos as principais empresas que atuam na Internet (Google, Facebook, Moozila, Twitter...) e grupos de defesa dos direitos humanos, cientes de que estas leis serão uma grave afronta ao direito fundamental da liberdade de expressão e uma ferramenta de opressão e controle aos conteúdos que hoje circulam de forma livre na rede mundial.
Se tu ainda não estás entendendo qual o impacto dessa lei, vou tentar explicar de forma mais simples: ela tornará praticamente impossível baixar músicas, filmes, programas ou compartilhar quaisquer outros arquivos com direitos autorais, fazendo com que uma simples pesquisa no google que remetesse a outro site com arquivos piratas ensejasse na suspensão do próprio google. Além disso, qualquer simples postagem como as nossas de cada dia, de vídeos de músicas no youtube ou fotos de artistas no facebook pudesse ser proibida por violar direitos autorais.
Tratam-se de leis Norte Americanas, é verdade, mas considerando que a imensa maioria dos sites que usamos diariamente são controlados por multinacionais americanas fica claro que os impactos serão sentidos em todo o mundo, não sendo diferente no Brasil, que a cada dia mais troca as velhas mídias pelo espaço livre da web. Assim, é fundamental que nos juntemos a corrente global contra as leis SOPA e PIPA, mostrando aos congressistas americanos que a aprovação dessas leis contraria aos interesses não só dos internautas norte-americanos, mas de todos os cidadãos do mundo ligados pela rede virtual.
#StopSopaAndPipa

Por Eduardo Berbacha Soares - Secretário de Formação Política JSB/RS

Posse UEE Livre RS

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Legalizar o aborto?



A questão da legalização do aborto no Brasil tem sido muito comentada recentemente nas redes sociais; o tema deve ser discutido com cautela, pois envolve uma série de ideias, opiniões e muitas divergências. No entanto, é inegável que a maioria das sociedades avançadas cultural e politicamente e que, principalmente, superaram os dogmas criados pela Igreja Católica, acabaram por descriminalizar a prática do aborto, como medida de atenção à saúde pública.

As redes sociais estão se estabelecendo como uma útil ferramenta de debates acerca dos mais variados temas. Desta vez o tema da legalização da prática do aborto no Brasil entrou em pauta e as mais diversas manifestações dos internautas foram surgindo. Movimentos feministas, pastores de igreja e até o médico Dráuzio Varella entraram na discussão, cada qual com sua opinião.

Da gama de ideias discutidas, podemos citar um argumento do famoso médico Dráuzio Varella: “O aborto é permitido no Brasil – para quem pode pagar”. E é esse fato que nos faz refletir que hoje é o poder econômico que está decidindo quem pode e quem não pode realizar o aborto. Os índices de condenações pela prática do aborto são pequeníssimos, portanto só faz quem pode pagar uma clínica especializada ou até mesmo viajar para o exterior para fazê-lo.

Já as mulheres pobres, não tem a quem recorrer, visto que o SUS está proibido de realizar o procedimento. Deste modo, como disse Dráuzio Varella, a legalização do aborto “pode salvar a vida de mulheres que, muitas vezes, já são mães, sofrem para criar os filhos sozinhas, buscam prevenção no SUS, não encontram, e se tornam mais uma vez vítimas, ao abortarem em clínicas clandestinas, ou dentro de casa, em solidão desesperada”.

Outra barreira importante nessa mudança da legislação penal brasileira são as paixões religiosas que alienam muito algumas questões cruciais para nosso país. Como diria Freud, a religião infantiliza a discussão. Ao dizer que a alma da pessoa está presente desde o momento inicial da gestação, não há meio de resposta, pois a afirmação é desprovida de qualquer elemento científico e físico, que seja capaz de gerar um debate em alto nível de ideias.

Por fim, podemos afirmar que a discussão virtual está se tornando uma ferramenta importantíssima para toda a sociedade. Serviu, nesses últimos tempos, para abrir a cabeça de muitos para a questão do aborto, que não é tão discutida quanto merece ser. O tema é crucial e importante, pois bate de frente com dogmas religiosos e pode salvar muitas vidas.

Por Eduardo Luft - JSB de Santo Ângelo/RS

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

O ANALFABETO POLÍTICO

O pior analfabeto
É o analfabeto político,
Ele não ouve, não fala,
Nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe o custo da vida,
O preço do feijão, do peixe, da farinha,
Do aluguel, do sapato e do remédio
Dependem das decisões políticas.
O analfabeto político
É tão burro que se orgulha
E estufa o peito dizendo
Que odeia a política.
Não sabe o imbecil que,
da sua ignorância política
Nasce a prostituta, o menor abandonado,
E o pior de todos os bandidos,
Que é o político vigarista,
Pilantra, corrupto e lacaio
Das empresas nacionais e multinacionais.
Bertolt Brecht
(1898-1956)

Difícil falar sobre política sem me lembrar desse texto de Brecht. Difícil falar qualquer coisa depois desse texto. Difícil ainda entender como todas as pessoas não pensam assim.
Ainda ontem me perguntaram por que gosto tanto de política e me peguei pensando muito sobre essa pergunta. Não sei, respondi, é algo que vem de dentro, é algo que faz parte da minha vida, da vida de todos na verdade. Mas não confunda política com politicagem. ‘É tudo a mesma coisa’, alguém poderia me dizer e perguntaria a essa mesma pessoa o que é, então, que ela faz todo dia quando pechincha o preço da carne no açougue, quando reclama do buraco na rua onde mora, quando conversa com seus vizinhos sobre os juros dos bancos, se não um pouco de política. Uma política um pouco diferente de governantes, mas não deixa de ser política.
Outra pessoa me diria “não me compare com esses corruptos” e aí perguntaria se essa mesma pessoa lembra em quem votou na última eleição, se pesquisou mesmo em quem votar ou votou no que pagou mais, no mais bonito, no que tem mais plaquinhas na rua?
O político corrupto não está lá por simples vontade, ele está lá porque muita gente votou nele. E pergunto mais, se você vende seu voto por apenas R$5,00 porque ele não pode se vender por milhões? Vocês são seres humanos corruptos da mesma forma, só que você continua pobre e ele cada dia mais milionário porque você continua vendendo seu voto e elegendo mais corruptos da mesmíssima “laia” que você.
E só podemos mudar de verdade, pesquisando os melhores candidatos e votando, não simplesmente dizendo que odeia política e vendendo seu voto.
Difícil ver que você é um perfeito analfabeto político né... Difícil admitir que o mundo é corrupto e você compactua com isso... Difícil... Muito difícil...

Por Josy Ames - Secretária de Mobilização JSB/RS

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Beto Grill sustenta que aliados devem evitar conflitos eleitorais



Atento à relação entre os partidos que integram o governo Tarso Genro (PT) neste ano eleitoral, o vice-governador Beto Grill (PSB) defende que os integrantes do Executivo estadual têm que subir no palanque dos candidatos que apoiam sem desqualificar os adversários que pertencem a legendas aliadas da gestão. Para Grill, a disputa municipal não pode ser confundida com a gestão em nível estadual, sob pena de o Estado sair perdendo. O vice-governador observa que um dos pilares da administração petista é justamente a aliança com diversas siglas (PSB, PCdoB, PDT, PTB, PPL e PRB).
Por isso, o socialista sustenta que, em Porto Alegre, onde a disputa entre aliados promete ser acirrada, haja uma relação respeitosa na campanha. “A cidade estará em boas mãos, independentemente do prefeito que for eleito”, opina. Grill irá apoiar a deputada federal Manuela d’Ávila (PCdoB), que conta com o apoio do PSB.

Nesta entrevista ao Jornal do Comércio, Grill ainda faz um balanço do primeiro ano da gestão de Tarso e de sua participação no governo. E comenta as ações que o Executivo está buscando para viabilizar uma solução definitiva para o problema da estiagem no Estado.

Jornal do Comércio – Como será seu posicionamento nas eleições, já que o governo tem partidos aliados disputando entre si em muitas cidades?
Beto Grill -
Eu e todas as lideranças dos partidos políticos temos que ter a competência de subir no palanque e defender aquele projeto que entendemos que é o melhor, mostrando seus aspectos positivos sem destruir o outro candidato.

JC – Porto Alegre é um desses casos. O PSB apoia a deputada Manuela D’Ávila, mas outros dois partidos aliados ao governo Tarso – o PDT, de José Fortunati, e o PT, de Adão Villaverde - também possuem candidato.
Grill -
Tenho dito que Porto Alegre, nessa eleição, escolherá entre o candidato bom e o muito bom: não existe nenhum projeto de governo que possa representar um desastre de gestão. São estilos e propostas diferentes, mas todas conduzidas por pessoas muito capazes. A cidade estará em boas mãos, independentemente do prefeito que for eleito. A proposta que estamos construindo com o PCdoB está madura, é legítima e pode representar o interesse do Estado. Vou subir no palanque para defender meu candidato, assim como o governador Tarso, cada um mostrando as qualidades do seu projeto, não confundindo debate eleitoral municipal com o debate estadual, que se configura em outra instância e que temos que preservar para o bem do Rio Grande.

JC – No primeiro ano do governo Tarso, o PSB fez reivindicações por mais espaço. E teve atritos com o PT, houve o caso da perda da relatoria do orçamento e as críticas do deputado Daniel Bordignon (PT) aos socialistas. Como o senhor avalia a relação do governo com o PSB?
Grill -
Construir uma aliança dessa amplitude é uma engenharia política, e a primeira grande ação do governador foi ter a competência de estabelecê-la. É evidente que, no percurso, existem mal-entendidos e algumas interpretações equivocadas que podem trazer ruídos. Mas se está conseguindo avançar. No PSB, por haver quadros capacitados e que teriam condições de estar colaborando com a administração, às vezes se expressa certo aborrecimento por não poder contribuir mais e da forma como se deseja. De qualquer forma, deve-se entender que é preciso espaço para o conjunto de partidos que estão representados e todos possuem bons quadros.

JC – Qual é a sua avaliação desse primeiro ano do governo?
Grill -
De forma geral, é positiva, já que conseguimos avançar em muitas questões importantes. Primeiramente, o governador se ocupou da construção de uma ampla base representativa de apoio político, que garantiu sustentação ao projeto de governo no Legislativo, e da criação de novas estruturas administrativas, como a Secretaria de Desenvolvimento (e Promoção do Investimento). Os critérios propostos para fortalecer a base produtiva do Estado foram estabelecidos com a intenção de atrair investimentos e desenvolver nossa economia, aumentando o recebimento de tributos e gerando condições de reinvestimento desses recursos em áreas prioritárias, como saúde, segurança, educação. Também foi trabalhada a recuperação do funcionalismo, priorizando acordos salariais para que o Estado possa prestar serviços de qualidade através de profissionais reconhecidos. E a implantação de um sólido sistema de interação com a sociedade vem respondendo de forma significativa.

JC - De que forma?
Grill -
O Plano Plurianual (PPA) Participativo e o Gabinete Digital são exemplos de comunicação entre o governo e a sociedade civil. Reunido à experiência do Orçamento Participativo (OP), por meio dessas ferramentas pudemos ouvir as demandas da população presencialmente. Esse conjunto foi coroado com a criação de um órgão consultivo, que é o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Conselhão). Esses são os pilares aos quais atribuo o sucesso e o otimismo resultantes do primeiro ano de governo. E ainda adaptar a estrutura e a sintonia com o governo federal e também buscar recursos de financiamento orçamentário na União.

JC - A dependência de operações de crédito para realizar investimentos não preocupa?
Grill -
Não há preocupação, é um processo natural. O Estado precisa de serviços e obras de infraestrutura, que pela primeira vez contam com uma proposta de financiamento. O Estado tem que financiar o desenvolvimento. Esse é um dos pilares, juntamente com a “arrumação da casa”, a progressão do projeto de governo, a comunicação com a sociedade, a relação com o governo federal e a parceria com o setor produtivo. Através desse diálogo permanente, dessa postura de estar ao lado daqueles que fazem investimento no Estado, estamos conseguindo ótimos resultados. Conseguimos reunir, na Expointer, Fetag, MST, Via Campesina e Farsul em um ato importante e simbólico. Todas as entidades discutiram formas pelas quais cada uma poderia contribuir para o desenvolvimento. É um avanço nas relações, é criar um ambiente favorável de confiança.

JC - Como isso trará benefícios para o Rio Grande do Sul?
Grill -
A iniciativa privada, tanto na agricultura familiar, quanto no agronegócio, pode dar resposta na indústria e nos setores de investidores. O Estado cresceu mais que a média nacional (em 2011). O maior incremento se fez por meio da produção primária de grãos, leite, carne e da agroindústria, da indústria de transformação daquilo que é produzido no campo. Nossa aposta de desenvolvimento conta com uma sustentação a partir da economia tradicional (agricultura familiar, agronegócio), o incentivo às cooperativas e à nova economia (tecnologia da informação), agregando outras indústrias e atraindo investimentos e recursos “de fora” para complementar a nossa base. Essa estrutura, juntamente com as universidades, trabalhando pela inovação e o avanço da ciência e da tecnologia com a diretriz de aproveitamento da produção interna para a transformação em riqueza, tem de dar certo. É o nosso plano: apostar na otimização das potencialidades do Rio Grande, sabendo que enfrentamos dificuldades, sejam climáticas ou cambiais, para o desenvolvimento do Estado.

JC - Que avaliação faz da sua participação no governo? Suas metas incluíam o combate às desigualdades regionais, campanhas de trânsito e a melhora na relação com Porto Alegre.
Grill -
O Programa de Combate às Desigualdades Regionais, presente em nove regiões do Estado, atua de forma pontual, a partir de ações que visam a auxiliar municípios nos quais o índice de desenvolvimento econômico é menor do que no restante do Estado.

JC - E o que já foi feito pelos municípios mais pobres?
Grill -
As ações de combate às desigualdades regionais se fazem através da execução de obras das secretarias. Nas estradas, no que diz respeito às ligações asfálticas, houve um aumento muito significativo na Metade Sul. O programa de retenção de matrizes ovinas, também voltado para a mesma região, objetiva olhar para a Metade Sul de maneira diferenciada. O instrumento do Fundopem mantém uma atenção especial para as empresas naquela localidade - no polo naval, na indústria oceânica. São ações que vão despertar os investidores para a região. A luta permanente para a duplicação das rodovias BR-116 e BR-290 são outras ações políticas. O fortalecimento da infraestrutura de energia elétrica para o desenvolvimento de Pelotas e Rio Grande, a exploração da usina de Candiota e a ampliação dos parques eólicos são exemplos que mostram que o gabinete está sempre ao lado para a viabilização de qualquer iniciativa. O gabinete tem o trabalho de fortalecer e ser um canal de reivindicações e comunicação a colaborar com as ações dos prefeitos e as iniciativas de investimento empresariais, dinamizando a economia do Rio Grande do Sul.

JC - E o trabalho para reduzir a violência no trânsito?
Grill -
Já existe uma mudança no comportamento dos motoristas. Houve um trabalho intenso, fruto do envolvimento de Detran, Polícias Rodoviária Federal e Estadual, Cetran e da participação da sociedade civil organizada com a integração dos municípios. O projeto Balada Segura, por exemplo, realizado com a EPTC em Porto Alegre, já mostrou resultados excelentes no que diz respeito à diminuição de óbitos em quase 30%. No Estado, a redução foi de 8% em comparação a 2010. Esse quadro é representativo se considerarmos que o número de veículos continua aumentando. Neste ano, procuraremos incrementar as ações voltadas à educação e à conscientização do pedestre e do condutor, à fiscalização e à seletividade para a aquisição da carteira de motorista.

JC - O projeto Balada Segura poderá chegar a outras cidades?
Grill -
Deverá se expandir aos principais municípios do Interior, já que estamos trabalhando com a Famurs para a criação de convênios com as prefeituras que viabilizem essas medidas. Implantamos também o projeto Viagem Segura e obtivemos bons resultados. A operação é similar, entretanto, é realizada nos pontos críticos das estradas com o apoio da Brigada Militar e da Polícia Civil.

JC - E projetos em parceira com a prefeitura da Capital?
Grill -
Algumas iniciativas se materializaram, processos que vinham se arrastando há muito tempo. Na revitalização do Cais, construímos as condições e o projeto já pode ser desenvolvido. O transporte fluvial entre Guaíba e Porto Alegre, o metrô, as obras para a Copa do Mundo de 2014 e a ampliação do aeroporto são amostras simbólicas do trabalho em conjunto entre o governo estadual e o municipal. Conseguimos avançar com relação ao tratamento do município de Porto Alegre.

JC - O senhor assumiu interinamente o governo do Estado em um momento delicado, quase 200 municípios sofrem com a estiagem. Qual é a avaliação das medidas tomadas até aqui?
Grill -
É um quadro que nos traz preocupação. Vamos sofrer consequências na economia, fruto dessa estiagem. Temos 166 municípios em situação de emergência e 1 milhão de pessoas atingidas. E as previsões sugerem o aumento desse número nos próximos dias. Estamos tomando todas as medidas necessárias. Um grupo de secretarias afins e órgãos de governo se reuniu todos os dias, acompanhando a situação. Também estivemos nos pontos afetados pela seca, conversamos com prefeitos e lideranças da produção dos locais.

JC - Além das medidas emergenciais, o governo está pensando em soluções definitivas?
Grill -
Está sendo trabalhado um plano, que já conta com o aval da Secretaria da Fazenda e com a concordância da Secretaria do Meio Ambiente, que deve viabilizar a criação de um sistema de ampla irrigação aos produtores para que não se dependa da incidência de chuvas. Também estamos vigilantes com as ações humanitárias voltadas ao fornecimento de água potável e alimentos à população.

Perfil

atural de Pelotas, Jorge Alberto Eduardo de Grill mudou-se ainda na infância para São Lourenço do Sul, em uma região que hoje corresponde ao município de Cristal. Fez Medicina na Furg e tem especialização em Ortopedia e Traumatologia. Começou a ter interesse pela política na faculdade, quando se tornou simpatizante do antigo MDB. No entanto, a primeira filiação partidária veio só nos anos 1980 no PDT, de Leonel Brizola. Em 1988, disputou a prefeitura de São Lourenço do Sul, onde atuava como médico. Elegeu-se deputado estadual em 1990. Dois anos depois, voltou a concorrer ao Executivo e desta vez foi escolhido prefeito de São Lourenço. Em 1998, Beto Grill deixou o PDT e, no ano seguinte, filiou-se ao PSB, sigla em que permanece até hoje. Passou a atuar como médico em Camaquã. Em 2000, foi eleito prefeito de Cristal - município onde fixou residência – e, em 2004, buscou, com sucesso, a reeleição. Dois anos depois, disputou o Palácio Piratini e, nos anos de 2007 e 2008, coordenou a bancada do PSB na Assembleia Legislativa. Em 2010, foi escolhido para representar o partido na chapa com Tarso Genro (PT) e se tornou vice-governador do Estado. Tem 57 anos.

Entrevista realizada por Fernanda Bastos do Jornal do Comércio

domingo, 15 de janeiro de 2012

Jovens integrantes da JSB/RS se fizeram presentes na 2ª Conferência Nacional de Juventude


A JSB/RS esteve representada na 2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude, evento ocorrido em Brasília/DF no último mês (dezembro de 2011). Além da participação efetiva nos grupos temáticos – GT's da Conferência, a representação gaúcha também se fez presente na Plenária realizada no intervalo do evento principal, organizada pela Direção Nacional da Juventude Socialista Brasileira. Na Plenária, foram realizadas avaliações da atual conjuntura da JSB/Nacional, além da avaliação da própria Conferência de Juventude. No que respeita à Conferência de Juventude, as lideranças da JSB foram unânimes em denunciar o esvaziamento das discussões e o engessamento do debate promovido pela organização do evento, dominada por representações partidárias do Partido dos Trabalhadores/PT. Segundo referiu Alex Nazaré, militante histórico da JSB e ex-Secretário Nacional do Movimento, “Até mesmo os textos e as propostas encaminhadas pelos Estados à Conferência foram alterados”, asseverando ainda que, “Definitivamente, a Secretaria Nacional de Juventude, que até pouco tempo vinha trilhando um caminho correto na construção das PPJs, está rachada, está retrocedendo no processo da construção política que já havia sido feito”. De qualquer sorte, ressalta-se como positiva a Plenária realizada pela JSB, onde todas as lideranças jovens de cada Estado representado tiveram oportunidade de intervir e fazer também o seu relato acerca do atual momento vivido pelo Movimento em cada unidade da federação. Em nome da JSB/RS falou a pré-candidata a vereadora pela JSB em Esteio/RS Caroline Maciel, a popular Cacau, a qual avaliou a conjuntura Estadual e também a Conferência, engrossando as críticas ao evento principal. Infelizmente, no caso da Conferência em si, a última análise política do grupo concluiu que o evento fora praticamente inócuo, pois consideraram que 90% dos assuntos pautados não representavam nenhuma novidade, e, aliás, muitos estavam sendo rediscutidos.

Foto: Delegados Estaduais do RS na Conferência Nacional de Juventude e também membros da JSB/RS – Matheus Simas/Sant'Ana do Livramento, Cacau Maciel/Esteio, Cezar Magdill e Luiz Alberto Dias/Sant'Ana do Livramento, e Marquinhos Ribeiro/Cachoeirinha.


Por Matheus Simas

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

O x da questão



A disputa pelo cliente/consumidor, tem exigido o máximo dos empresários, que têm de lançar mão de todos os recursos a sua disposição para conquistar o cliente. Já a concorrência, na maioria das vezes procura imitar. Mas nada impede que lance mão de alguns artifícios para combatê-los.
Quando uma empresa cresce, intensifica sua participação no mercado e aumenta o número de clientes, automaticamente começa a receber uma maior “atenção” da concorrência. Como os políticos se agrupam em partidos, que equivalem a empresas privadas do ponto de vista de venda de serviços, esse fenômeno se aplica também aos partidos políticos.
Para Houaiss (2001), cobiça é o desejo ardente de ter. É exatamente isso que uma empresa ou um partido em crescente ascensão, como o PSB - que nas últimas eleições aumentou em 100% o número de governadores e tem o governador e os prefeitos de capitais mais bem avaliados do país - desperta em seus oponentes. Já imaginaram que o sucessor de Dilma em 2018 pode ser Eduardo Campos? Um socialista no poder? É... os opositores e a mídia precisam abatê-lo rápido, antes que isso se concretize e o Brasil seja uma sociedade justa com igualdade de oportunidades.
No Brasil, a mídia é demasiadamente conservadora, porta-voz das classes dominantes reacionárias, tem fechado o cerco contra o governo. Esta que deveria ser uma grande aliada da população, fazendo um discurso objetivo, crítico e investigativo, hoje mente, deforma e frauda. Empunhando a bandeira do combate à corrupção, ela faz uma campanha falsamente moralista que já derrubou seis ministros, tenta derrubar mais um, dessa vez o Ministro Fernando Bezerra (PSB). Nesse caso, não culpamos apenas a mídia marrom, pois Bezerra ex-prefeito de Petrolina, transferiu recentemente seu domicílio eleitoral para Recife, sendo possível candidato a prefeito. O que não agradou nem um pouco o PT.
Mesmo com essa “disputa de mercado” e os meios de comunicação manipulando os cidadãos, nós da JSB, mostramos que é possível formar jovens autônomos, mesmo em um “país onde as elites política e econômica possuem os mesmos atores.” Com isso, o PSB segue crescendo com qualidade, gestão e de acordo com as propostas de políticas públicas capazes de melhorar a vida população, mantendo o nível de respeitabilidade e idoneidade que sempre teve ao longo desses 64 anos de existência.

JSB Presente! Agora e sempre!

Por Neusa Cavalheiro – Secretária de Organização da JSB/RS

Catástrofes, maus políticos, bons gestores e a mídia alternativa

http://jsbamazonas.files.wordpress.com/2012/01/foto-artigo.jpg
Lembro-me que pouco tempo atrás ouvia os “mais velhos” dizer que o Brasil era um país abençoado. Aqui não havia catástrofes naturais, não havia furacões, terremotos etc. Mas havia maus políticos. Pois é, parece que com a irresponsabilidade mundial com a vida e o meio ambiente, continuamos a poluir para desenvolver a qualquer custo e, hoje, o nosso país passa a conviver cotidianamente com noticias acerca de tragédias que ceifam centenas de vidas e deixam milhares em condições subumanas de vivência.

Isso não é uma alteração qualquer em nosso cotidiano, é necessário entender que o mundo passa por um processo de transformação abrupta e veloz, que não nos permite mais criar planos no âmbito da Defesa Civil com prazos muitos longos. Fato que fica evidente ao relembrarmos tragédias como as enchentes que assolam a Zona da Mata Mineira, a tragédia da região serrana do Rio de Janeiro e as enchentes que devastaram Pernambuco e Alagoas nos anos de 2010 e 2011, que hoje voltam ao noticiário por suposto favorecimento de envio de recursos por parte do Ministério da Integração Nacional.

Vejam que ironia do destino. Anos atrás não havia catástrofes e existiam maus políticos. Hoje as catástrofes, infelizmente, são mais frequentes e os políticos eficientes são punidos arbitrariamente pela grande mídia justamente por tratar as questões de emergências com agilidade e compromisso público, sem deixar que o sofrimento de milhares de pessoas sirva apenas para sensibilizar pessoas em regiões não atingidas e fazer da solidariedade habitual do nosso povo uma mera peça de marketing.

O Brasil é um país grande e os grandes veículos de comunicação precisam se comportar como tal. Usam da boa vontade de alguns e do sofrimento de outros para interesses exclusivamente eleitoreiros, que em nada contribuem com o nosso dia a dia, pelo contrário, somente acachapam pessoas e sensacionalizam fatos sem fazer o devido aprofundamento de suas causas e efeitos.

Tenho a certeza de que a juventude brasileira, em especial a juventude do meu partido, o PSB, tem a clara convicção de que os últimos fatos noticiados não passam de uma tentativa fútil de atacar membros do nosso partido que tem um compromisso maior, um compromisso que vai para além da próxima eleição, um compromisso que tem o bem estar da população como principal elemento da nossa ação prática nas gestões.

Não é a toa que temos o governador e os prefeitos de capitais mais bem avaliados do país.

É bom que se saiba que os tempos mudaram. Mudou o clima, mudaram os políticos e mudou a nossa forma de ver e fazer política, que atualmente está para além da mídia formal – que durante anos usou as informações para defender regimes autoritários e esconder a verdade do povo e, hoje se esconde atrás da legítima liberdade de expressão para difundir mentiras e confundir os cidadãos. Porém, agora estamos em uma nova era, em que nós mesmos podemos ser a mídia que tantos sonhamos. Viva a comunicação alternativa, viva os bons políticos, viva a luta do povo brasileiro.

Por Sérgio Cardoso - Presidente Nacional da Juventude Socialista Brasileira / JSB

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

A JSB-RS estará presente no Fórum Social Temático

A JSB-RS estará presente no Fórum Social Temático - "A crise capitalista, Justiça Social e Ambiental". O evento será realizado em Porto Alegre e Região Metropolitana entre os dias 24 e 29 de janeiro de 2012. A direção da JSB destaca que como grande parte das atividades organizadas pela JSB irão ocorrer no Acampamento Intercontinental da Juventude, a inscrição dos interessados para Acampamento é de extrema importância.

Em breve serão divulgadas maiores informações sobre as atividades promovidas pela JSB.

Faça aqui sua inscrição para o Fórum Social Temático (FST): http://www.fstematico2012.org.br/index.php?link=43

Inscrição para o Acampamento: http://www.fstematico2012.org.br/index.php?link=74

Maiores informações:
Neusa Cavalheiro (51) 98911996 ou (55) 99079014
Tony Sechi (53) 81441686
Maicon Machado (53) 91577669


Por: Neusa Cavalheiro e Tony Sechi

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

JSB mobilizada para fazer mais

Entre as agendas em que a Juventude Socialista Brasileira do RS é demandada, o grupo da direção estadual está sempre em contato para definir as ações para a construção de uma sigla unida e bem representada. Mesmo com apenas três meses de trabalho, no “apagar das luzes” de 2011, a mobilização se deu em torno de compromissos pontuais, como o Congresso Nacional do Partido Socialista Brasileiro, a eleição para o DCE da Universidade Federal de Pelotas, a ocupação nas redes sociais e a construção de agendas para 2012, um ano de grande importância por ser eleitoral.
O secretário estadual da JSB, João Pedro Grill, destacou a dificuldade de organização por assumir a Juventude em um período de final de ano e com as agendas já definidas. “Tivemos que correr contra o relógio no final deste ano e, mesmo assim, ocupamos importantes espaços, tanto em nosso Congresso Nacional da JSB, quanto na UFpel, além de organizarmos uma agenda ousada para 2012, em que queremos realizar atividades em diferente regiões do nosso Rio Grande”, afirmou Grill.
Entre as definições para este ano que se inicia, já está acertada a participação da JSB no Fórum Social Temático, onde acontecerá o primeiro encontro regional da Juventude para uma maior aproximação entre os jovens. “O nosso principal objetivo este ano é a definição de candidaturas oriundas da JSB, para que possamos fortalecer nossa Juventude e o próprio PSB nos legislativos municipais”, encerrou o secretário Grill.

Por: Tafael Medeiros

Nova diretoria da JSB-RS começa 2012 com atividades

O Partido Socialista Brasileiro vive no Rio Grande do Sul uma fase de crescimento. Nas últimas eleições aumentamos, significativamente, a nossa representatividade em solo gaúcho. Com a eleição do vice-governador Beto Grill, de três deputados federais e três deputados estaduais, iniciamos uma era jamais vivenciada por nós, socialistas, em nosso Estado. Além disso, fazemos parte do governo de Tarso Genro, onde ocupamos atualmente a secretaria de Infraestrutura e Logística, chefiada pelo deputado federal Beto Albuquerque.
Através desse crescimento, nossa juventude tem tudo para aproveitar esta boa fase e colaborar com o crescimento do partido construindo um projeto com bases sólidas, pois, a partir do último Congresso Estadual – realizado em 29/10/2011 -, a Juventude Socialista Brasileira do RS saiu fortalecida, com a nova executiva eleita em chapa única aclamada por unanimidade pelos participantes. A partir disso, deu-se inicio a um novo momento na JSB/RS, objetivando maior organização, capacidade de aglutinar a juventude e incidir decisivamente nos rumos das políticas voltadas para o segmento juvenil. Atualmente a JSB está organizada em 38 municípios. Fortalecer a JSB e as relações partidárias é fundamental dentro do papel estratégico que a juventude deve cumprir no período.

Conheça a nova direção da JSB/RS:
SECRETARIA DE JUVENTUDE:
João Pedro Roveré Grill - São Lourenço do Sul

PRESIDENTE:
Marcos Vinicios Franco Ribeiro - “Marquinhos” - Cachoeirinha

VICE PRESIDENTE:
Tiago Gai Simões - Cruz Alta

1° VICE PRESIDENTE:
Alessando Dal Zotto - Campinas do Sul

SECRETARIA GERAL:
Eduardo Peliciolli - Passo Fundo

SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO:
Neusa Cavalheiro – Santo Ângelo

SECRETARIA DE FINANÇAS:
Maicon de Almeida Machado – Pelotas

SECRETARIA DE MOVIMENTO ESTUDANTIL UNIVERSITÁRIO:
Alberto André Pereira Linkiewes - Viamão

SECRETARIA DE MOVIMENTO ESTUDANTIL SECUNDARISTA:
Rodrigo Alves da Silva - Canoas

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO:
Tafael Medeiros - Butiá

SECRETARIA DE MOBILIZAÇÃO:
Josy Ames - Cachoeirinha

SECRETARIA DE FORMAÇÃO POLÍTICA:
Berbacha Soares - Santo Antônio da Patrulha

CORDENADORIA DE ORGANIZAÇÃO E FORMAÇÃO:
 Jair Antonio Zancan – Taquaruçú do Sul
 Keoma Rodrigues de Brito – Novo Hamburgo
 Leonardo Mesquita Soriano - Porto Alegre
 Rubilar Borges Tavares Junior - Rio grande
 Matheus Simas - Santana do Livramento

COORDENADORIA DE GÊNERO:
Camila de Campos Goulart - Pelotas

Por: Neusa Cavalheiro

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Votos aos 16: uma conquista do povo brasileiro




Uma conquista da juventude brasileira o voto facultado aos jovens entre 16 e 17 anos é, ainda hoje, objeto de debates e polêmicas no conjunto da população. Apesar do aumento significativo do número de alistados dentro desta faixa etária[2] são muitos os que se manifestam contra essa conquista e afirmam: “Ah, já que não pode ser preso porque o menor de 18 pode votar?”, “Ora, se não pode ser responsabilizado por seus atos, porque o jovem pode escolher os governantes do país?”.
Tais expressões, fruto de uma visão ainda preconceituosa e estigmatizada da juventude, nega o jovem como sujeito social com possibilidade de intervenção crítica e responsabilidade social e nega a juventude como tempo de participação social e de emancipação pessoal e coletiva. Em outras palavras, as posições contrárias ao voto aos 16 anos desconhecem a possibilidade de jovens que percebem a importância da política, acreditam na democracia e apostam que é possível mudar o mundo.[3] [...]

Deste modo, destacamos aqui três aspectos, dentre vários outros possíveis, para a defesa e mobilização em torno do voto aos 16 anos defendendo-o enquanto estratégia importante para a elevação do nível de tematização social da juventude e para o fomento a inclusão das demandas juvenis no debate eleitoral.

Um primeiro aspecto diz respeito a ruptura com o paradigma na apatia juvenil e consiste em, por meio de uma participação ativa dos jovens dentre 16 e 17 anos no processo eleitoral, demonstrar que não é verdadeira a tese de que toda a juventude, ou melhor, todas as juventudes são desmobilizadas e apáticas politicamente.

Uma segunda dimensão refere-se ao incentivo à organização juvenil. Com a provocação à participação eleitoral dos jovens é possível incentivar a criação de grupos em interesse relacionados a essa questão como, por exemplo, a ação das redes, juventudes partidárias e entidades de apoio que se mobilizam pela defesa do voto adolescente como importante meio de interferência na discussão política do país.

Tais modalidades de mobilização social podem desempenhar um papel importante no que tange a associação política de jovens, sobretudo se tais campanhas relacionam-se com a promoção do voto crítico, do acompanhamento parlamentar, do engajamento social e do controle dos candidatos após o processo eleitoral monitorando e fiscalizando suas ações.

Por fim, o voto aos 16 anos pode significar ainda a inclusão do olhar dos jovens sobre as políticas que lhe dizem respeito e, portanto, a qualificação do debate sobre as políticas públicas de juventude dentro do processo eleitoral, suplantando o velho modelo da tematização dos jovens como objeto das políticas para a concepção do jovem como sujeito capaz de mediar, negociar, se contrapor e influir na constituição do debate sobre juventude a ser travado dentro da perspectiva eleitoral.

Assim, está colocado para os(as) ativistas pelo direitos da juventude um bom debate no que se refere ao voto aos 16 anos no sentido de que além de fomentar o alistamento eleitoral, com o objeto de assegurar a garantia desse direito juvenil, é importante ainda debater o voto dos jovens–adolescentes como possibilidade de mudança e de transição geracional, desencadeando processos de mobilização política, controle social e conscientização cidadã, certos(as) de que a eleição não será capaz de, sozinha, mudar os rumos do país e da sua juventude, mas, cientes de que, sem dúvida, ela representa um privilegiado momento para o debate por mais direitos e mais participação.
Felipe da Silva Freitas[1]

[1] Felipe da Silva Freitas, 22 anos, presidente do Conselho Estadual de Juventude do estado da Bahia e coordenador da Campanha nacional contra a violência e o extermínio de jovens.
[2] Segundo o TSE só entre 2006 e 2002 houve um aumento de 39% dos votantes com idade entre 16 e 17 anos.
[3] Segundo a Pesquisa Perfil da Juventude Brasileira realizada pelo Projeto Juventude / Instituto Cidadania, 54% afirmam que a política é muito importante, 53% afirmam que a democracia é sempre melhor do que qualquer outra forma de governo e 59% afirmam que a participação popular nas decisões do governo é a melhor forma para resolver os problemas do país.

Confira na íntegra: www.casadajuventude.org,br

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

JSB se fortalece no último congresso da UGES





JSB se fortalece no último congresso da UGES

Mesmo após vários empecilhos, entre eles a transferência de local, de Tramandaí para Porto Alegre, ocorrida de inopino em função dos transtornos causados pelas tempestades no litoral, ocorreu dia 21 de Novembro, o 55° congresso da UGES em concomitância com a etapa estadual do Congresso da UBES. O evento ocorreu nas dependências do Colégio Paula Soares na capital e contou com a participação de mais de 350 delegados e 500 participantes de diferentes pontos do Estado. A JSB esteve representada por delegados de Cachoeirinha e Pelotas, e por observadores de Cruz Alta, formando uma delegação de cerca de 80 estudantes.
As principais discussões foram acerca da importância da reserva dos recursos da camada pré-sal para políticas públicas que aumentem a qualidade e a abrangência da educação básica. Por fim, por aclamação foi eleita a nova diretoria e executiva da entidade. A JSB estará representada na nova diretoria com um cargo de executiva e uma diretoria, além de ter garantido, na proporção, o credenciamento de 04 delegados para a etapa nacional do congresso da UBES. Apesar de ainda tímido, trata-se de um resultado importante para a JSB neste esforço de retomada de sua representatividade junto as diversas entidades do movimento estudantil no RS. Fica também o agradecimento pelo esforço dos companheiros, especialmente, Marquinhos, Douglas, Catarina e Rochane.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Quem vem com tudo não cansa !!

Quem vem com tudo não cansa !!

Grande notícia para o movimento estudantil do Rio Grande do Sul. A chapa 2, Quem vem com tudo não cansa, acaba de vencer as eleições do DCE da UFPEL. Trata-se uma grande união de forças, que com certeza será capaz de alavancar o nível do debate e melhorar as condições dos estudantes nessa importante universidade. A JSB está presente nesta chapa com vários companheiros, e comemora com alegria esta importante conquista. Como sempre JSB Presente! ( Jefferson Allan Müller)

Quem vem com tudo não cansa 2

Caros, companheiros...
A espera foi grande. A batalha foi duríssima. Mas o resultado foi simplesmente sensacional.
É claro que estou falando da VITÓRIA da chapa QUEM VEM COM TUDO NÃO CANSA no DCE da UFPEL.
Gostaria de dividir esse comento com cada companheir@s que partilharam conosco ao longo dos últimos anos vários momentos de protagonismo da JSB no movimento estudantil na cidade de Pelotas. Desde a última gestão que fizemos parte e, diga-se de passagem, muito bem representada pelo companheiro Manoval, se foram alguns anos. Mas não por isso a JSB deixou de militar de forma organizada no movimento estudantil em Pelotas. E nesse processo não há como não falar na valorosa construção dos companheiros Fred e Camila que praticamente sozinhos polarizam disputas, compraram brigas, mais do que isso, formaram o alicerce para que pudessemos construir em um terreno seguro. Acho importante ressalatar à contribuição desses dois companehir@s, pois, devido a compromissos profissionas e pessoais justamente no melhor momento da JSB não puderam fazer parte da chapa e certamente qualificariam muito a nossa gestão.
No meu entender esse momento histórico que estamos vivenciando no movimento estudantil não pode ser disperdiçado. Sabemos que somos difrentes, pensamos diferentes e não queremos ser iguais, mas devemos fazer o maior esforço para mantermos essa gestão firme, forte e coesa até o fim, afinal, as transformações que Universidade Federal de Pelotas vem passando requerem um comprometimento nosso. Fico orgulhoso com a campanha limpa que mantivemos do começo ao fim do processo eleitoral afirmando a posição da Juventude Socialista Brasileira de não abandonar o compromisso de pautar a democracia e o respeito à pluralidade de idéias afinal o debate era ideológico. Por fim, gostaria de agradecer aos militantes e colaboradores que se entregaram de corpo e alma a essa campanha. O momento é de imensa alegria e não há razão para tristeza, pois travamos o bom combate, partilhando a utopia e a certeza que bons tempos virão ao longo não só desse ano, mas enquanto esse grupo permanecer unido.
Tony, Dari, Patricia, Bianca, Camila, Adair, Horaci, Cristian, Marcos, Paula, Shaiane, Marta, Berega, Rô, Rafael, povo do CAVG, e outros tantos que certamente esqueci de mencionar vocês foram espetaculares nesse processo e tem influência direta no brilhante resultado que obtivemos. Não tem como não enfatizar o comprometimento ao londo de todo processo do Tony, da Dari, da Pati, da Bianca e do nosso pessoal do CAVG. Esses companheiros foram brilhantes, sacrificaram compromissos profissionais, pessoais e de saúde para construir essa vitória.
Do fundo do meu coração: - É um orgulho poder contar com companheiros como vocês! Companheiros, o ritmo que a vida nos impõe às vezes é damasidamente fote, mas para aqueles que se escondem atras de suas vidinhas acomodativas sob a alegação de que o "tempo não para", de cá encoamos em massa "Se o tempo não para, QUEM VEM COM TUDO NÃO CANSA"!!!!!!!!!
Saudações,
Maicon Machado- Secretário Geral JSB/RS

OBS: Na chapa a JSB encontra-se representada na Coordenação Geral com o Companheiro Tony, em dois Conselhos Universitários com a Pati e o Horaci (ambos com com respectivos suplentes), um nome no Conselho Coordenador do Ensino, Pesquisa e Extensão com a Companheira Dari. Na coordenação formal ficamos com os companheiros Tony (Sec Geral) e Pati (Sec Finanças). No corpo da chapa possuímos 31 nomes ligados a JSB.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

JSB/RS produz manifesto








A JSB/RS realizou no último final de semana dias 31/10 e 01/11 Encontro de Formação Política em Cristal. O encontro teve a participação do presidente Caleb de Oliveira e foi produzido um manifesto com o seguinte conteúdo:

A Juventude Socialista Brasileira, reunida na cidade de Cristal-RS, nos dias 31/01 e 01/11 de 2009, para encontro de formação política e discussão da conjuntura política atual, torna público o seguinte manifesto aprovado pela unanimidade dos presentes.
1- O governo lula inegavelmente tem representado um período de grandes avanços para a sociedade brasileira, especialmente nas pautas especificas de juventude. Todavia a análise do papel histórico deste governo não nos exime da responsabilidade de pensar alternativas e projetos do pós-lula. Acreditamos que o PSB possui legitimidade e quadro preparado para dar prosseguimento e aprofundar as mudanças que o Brasil exige. O nome que dispomos é Ciro Gomes. Incumbe ao partido abraçar a defesa do seu nome, sem vacilos, já que a sociedade brasileira vem dando demonstrações de que o abraça. A JSB defende que o partido no seu conjunto deva cumprir o papel de vanguarda deste projeto.
2-Igualmente na disputa sucessória estadual o Partido deve continuar sustentando que o nome do Deputado Beto Albuquerque é o que melhor pode representar uma mudanças de referências e paradigmas na política no Rio Grande do Sul. Tal candidatura pode quebrar a nociva disputa bi polarizada, autofágica que só tem causado prejuízos ao estado e por conseqüência de sua gente. O discurso sustentado por Beto Albuquerque, é boa nova mais lúcida e madura na política gaúcha o que nos entusiasma e nos encoraja a sustentar a viabilidade deste projeto.
3- A JSB/RS está absolutamente ciente do compromisso que tem com este momento especial vivido pelo PSB. Portanto, é seu papel, assumir a defesa dos pontos de vista expostos acima com toda ênfase e responsabilidade. Agrega como pontos importantes a serem trazidos ao debate público, temas como:
- impedir o sucateamento da UERGS e apostar na sua revitalização
- defender políticas públicas mais arrojadas no enfrentamento da drogadição juvenil, que saiam do estreito foco da repressão, e dialoguem com a real solução do problema.
- Reforçar o acesso a cultura, em uma acepção ampla, como um direito fundamental, especialmente para os jovens.
-O enfrentamento com o crônico problema do desemprego juvenil, e suas dificuldades de inserção no mercado de trabalho. Não esquecendo da especificidade da juventude rural.
- O compromisso permanente com preservação ambiental, como valor supremo para conservação da vida no planeta.
- O compromisso com a construção de um projeto pedagógico que dialogue com a construção do pensamento crítico e a emancipação do ser.
4- Tais temas passam a constituir pauta de discussão interna da JSB, e compromisso de luta e de construção em todas as esferas de debate político.
Cristal, 01 de Novembro de 2009
Juventude Socialista Brasileira/RS

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Reconstrução da UEE-RS

Nos dias 09 e 10 outubro de 2009, ocorreu na Universidade Federal do Rio Grande Sul (UFRGS), em Porto Alegre , o congresso de reconstrução da União Estadual dos Estudantes (UEE-RS).

O congresso contou com as presenças, do presidente e vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Augusto Chagas e Tiago Ventura, Eriane Pacheco, vice-presidente Sul da UNE e dos estudantes universitários das mais diversas regiões do estado.

Este congresso da União Estadual dos Estudantes do Rio Grande do Sul entra para a história como um importante momento de amadurecimento e de protagonismo político que vive o movimento estudantil gaúcho.

Os debates realizados no congresso focaram entorno de uma maior integração entre os estudantes universitários do estado, através dos DCE's, CA's e DA's, colocando o acadêmico gaúcho como agente principal das ações e decisões da entidade, abrangendo todos os cursos, universidades e instituições de ensino superior, sejam estas públicas ou privadas, dialogando assim os rumos e desafios da educação no estado e em nosso país.

Como não poderia ser diferente, a Juventude Socialista Brasileira-RS, esteve presente contribuindo para construção deste momento histórico do movimento estudantil gaúcho. Fomos para este congresso com o firme foco de que a JSB na UEE-RS, contribua para um efetivo debate entorno da organização de uma agenda de lutas para o movimento estudantil. Agenda esta que respeite uma pluralidade de opiniões, representativa dos interesses dos estudantes universitários do Rio Grande do Sul. O que está em jogo para nós é um movimento estudantil que leve em consideração os anseios da comunidade acadêmica e do povo gaúcho, dizendo fora ao projeto neoliberal representado pela governadora Yeda Crusius e sua quadrilha e oferecendo uma nova alternativa para o desenvolvimento do estado.

Estaremos representados na nova Direção Executiva com 3 dos 21 membros, sendo eles os companheir@s: Rochane Peres do curso de Ciências Sociais da UFPel, Eduardo Berbacha Soares do curso de Direito da Unisinos e Luiz Romano Pansera do curso de Veterinária da UPF e também secretário de movimento universitário da JSB-RS.

sábado, 26 de setembro de 2009

A todos que lutam e constroem a sociedade e o partido que queremos:

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) se mantém há tempos na vanguarda do debate dos diferentes movimentos de juventude, seja atuando dentro das estruturas do movimento estudantil, como na União Nacional dos Estudantes (UNE), na União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), seja na base, politizando e transformando a realidade através de nossa militância nos diferentes CA’s, DA’s e Grêmios Estudantis.

Este segundo semestre de 2009, será de muitas atividades na JSB, e para isto precisamos da colaboração dos companheiros nas seguintes demandas.

1- Como bem sabem durante o mês de Novembro serão realizados os congressos que irão renovar as direções partidárias nos municípios. Assim, renovam-se também os secretários de Juventude nos respectivos municípios. É de FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA ELEGER SECRETÁRIOS DE JUVENTUDE EM TODOS OS MUNICÍPIOS ONDE EXISTAM FILIADOS COM MENOS DE 30 ANOS DE IDADE.

2- Diante deste compromisso com a qualificação de nosso partido a JSB/RS em parceria com a Fundação João Mangabeira e a direção do PSB/RS, está organizando um SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO exclusivo para os nossos militantes de Juventude. Seminário este que Será realizado nos dias 31/10 e 01/11, na cidade de Cristal-RS, de modo que pedimos que esta direção partidária já pense sobre possíveis participantes, de preferência jovens que irão exercer a função de secretários de Juventude ou que tenham perspectiva de vida orgânica dentro do partido.

3- Estamos realizando um profundo esforço no sentido de conquistar espaços no movimento secundarista, que reserva para este segundo semestre os congressos da UGES e etapa estadual do ConUBES. Já se encontra em aberto o período da tiragem de delegados para estes congressos, onde participaremos com tese própria (movimento até quando esperar). Pedimos então aos companheiros que informem possibilidades e contatos com estudantes secundaristas, ou grêmios estudantis, ligados ao partido ou interessados para que possamos entrar em contato e orientar na tiragem de delegados.

Sabemos que os desafios são grandes, mas eles não são maiores do que o nosso sonho de construir uma sociedade justa e igualitária.

Jefferson Allan Müller- Secretário de Juventude- JSB/RS

Jeff_jsb@yahoo.com.br – (51) 8148-9566


Contatos sobre movimento secundarista:

Marquinhos Ribeiro

Secretario de Movimento Estudantil da JSB/RS

Contato: (051) 9208-3945

E-mail: jsbcachoeirinha@yahoo.com.br